segunda-feira, 2 de abril de 2012

Claricianas, #3


A parte minha que ignoro
é uma maçã
no escuro

Lado oculto com que desejo
e busco
no vão de mim a mim

Onde menos sei
está
o que mais ensina:

Os avessos da pele
a ferocidade do hábito
a letra da paixão

Através do que não vejo
negocio com a época
que me coube viver

Estranhas cidades mortas
onde
formas petrificam circunstâncias

Mumificadas uma necrópole
de movimentos
de silêncios de vazios

A extraordinária sonoridade
do nada
feita do avesso do som

Extensas quedas admiráveis
o sono
sem sonho dos zumbis

Desfalecimento que amortalha
os mortos
numa vida onírica

A morte pela qual todo
um
torna-se espírito e outro

Um comentário: