domingo, 9 de dezembro de 2012

o cobrador de promessas (parte 2)



As posições relativas haviam mudado subitamente; o homenzinho abandonara de vez o jeito sonso de falar como quem pede desculpas por existir e agora exibia modos desenvoltos e decididos, no limite da arrogância deslavada. Puxou uma cadeira ao seu lado: ― Por favor, sente-se. Já que consegui um pouquinho da sua atenção, podemos conversar civilizadamente...
― Muito que bem, vamos começar pelo começo então: como é mesmo o seu nome?
― Josefel, um seu criado... ― fez as palavras se acompanharem de um leve nuto, enquanto a mão de unhas sujas afastava uma mecha de cabelos da testa.
― Ok, voltando à vaca fria: onde foi que você pegou isso? ― Cyonil percebia com raiva vazante que o camarada acariciava a cigarreira com seus dedos curtos e roliços.
― Bom amigo, a verdadeira questão, me parece, é onde você pegou isso...
― É uma espécie de jogo, o que estamos...?
― Não. É uma espécie de acordo que eu estou tentando chegar com você... mas tem de haver um pouco mais de, hã, confiança mútua...
― Que tal um pouco de papo reto? Chega de dar volta, de conversinha mole, essa cigarreira não lhe pertence!
― E muito menos pertence a você! Já que pediu, vou lhe dizer: estava bem escondida, no fundo da garagem, dentro daquelas caixas seladas onde ficam as ordens de serviço antigas e os recibos... tá tudo guardado na prateleira mais alta, sua mulher nunca entra aí porque é meio que a sua oficina de consertos. Você não deixa ninguém limpar aquele lugar faz anos...
Royal straight flush, o rosca não estava blefando. Cyonil levou uns largos minutos para recuperar o fôlego, o coração parecia ter ficado suspenso entre uma batida e outra, o estômago, retorcido como um nó de balão de festa; uma serpente gelada havia descido pelas suas costas e entrado no seu cu. Pediu uma caninha ao garçom. ― Você é... da polícia?
― Claro que não, nada a ver. Garçom, traz também mais uma breja pra mim junto com a branquinha dele, por favor...
― Se não é cana, como é que foi entrando assim na minha casa, mexendo nas minhas coisas?
― Do mesmo jeito que você: vai instalar o cabo, ou dar manutenção no decodificador, entra na casa dos outros, vê o que quer... e pega. Não é assim que você faz?...
― Que é que você quer de mim? ― tremia, babava; derramou cachaça na gola, parecia um caco de gente, um menino assustado nas mãos de um homem que nunca tinha visto na vida.
― Vou abrir meu coração pra ti... não sou moralista, não é do meu feitio julgar ninguém, só vim aqui propor uma cutruca: te devolvo o que peguei de você, e você me paga o que deve...
― Pagar o quê? Você já falou isso uma pá de vezes, mas não consigo entender.
― Dá uma boa olhada ― o cobrador começou a tirar de um saco vários objetos: um relógio Hublot, um anel de ouro, um vidro de perfume azul com filigrana prateada, um broche com dois topázios, um açucareiro de porcelana St. Cloud, uma espiriteira de prata, uma estatueta Tanagra, um iPhone, um jogo de descanso de copos, um peso de papel em cristal millefiori ―, acho que são seus, ou melhor, não eram, mas passaram a ser...
― Você... pegou... tudo!
― Pois é, anos de “trabalho”, de risco... um risco calculado, certo, mas que exigiu uma boa dose de ousadia e sangue frio, não se pode negar...
― Quanto? ― de repente, Cyonil saiu do transe que o obnubilava; decidiu partir para o tudo ou nada.
― Como assim, quanto?...
― Quanto você quer? Você está aqui por algum motivo...
― Ah, meu amigo, sempre chega essa hora, não há um que não tente me comprar... entenda, não é que eu seja incorruptível, muito ao contrário até, mas acontece que recebo ordens de cima como todo mundo; se não puser na tua bunda, põem na minha... Você nunca dançou até agora por quê? Lembre: houve uma combinação, um acordo, e o combinado não é caro...
― Se não é dinheiro, você quer o quê então?
― Promessas. Sou um cobrador de promessas...

Um comentário:

Luisa Catunda disse...

Um cobrador de promessas na véspera do 21/12...... Nao da para acreditar. E vai cobrar de tudo mundo? Nao vai dar tempo..... Ahahahahahahahahahha