sexta-feira, 11 de setembro de 2009

LACAN, VC NAUM VALI NADA MAIS EU GOSTO D' OCÊ!


Por que a mocinha de “Desejo e Perigo” se entrega?

É uma decisão que toda mulher enfrenta mais cedo ou mais tarde: ser mulher. E aí cada uma terá de se haver com o quanto cedeu de seu desejo (ou o quanto correu de perigo).

Ela escolheu a vida, o sacrifício dela salva ao menos a vida dele. Porque perdidos ambos já estavam nas águas turvas da paixão carnal.

Nunca suportei a ideia de comunismo, socialismo, cubismo ― sem Marx e sem Bíblia. A dura verdade do capitalismo é que o universo é inflacionário. Impérios-bolha vão crescer e estourar. Cada vez mais rápido.

O que não tem solução, não solucionado está. Nós vamos ter que nos reorganizar em outros lugares, rever conceitos e levantar acampamento a toda hora. Como os nômades.

A fêmea é o humano que não existe, devém; ser mulher é uma profissão impossível, portanto, do alto da minha condição de não-existente, renuncio a resolver um enigma insalúgubre. Não sei o que fazer, não faço nada.

Por que deveria trabalhar para uma civilização que, nas versões judaica, cristã, islâmica, grega, ocidental ou oriental, me põe em segundo plano? Deixa cair o trambolho!

Lacan, você não vale nada mas eu gosto de você!

4 comentários:

André Gide disse...

"Por que a mocinha de ´Desejo e Perigo´ se entrega?"

Essa frase não está comprometida com o universo que você questiona?

André Gide disse...

só agora atinei, "as mulheres não sabem o que querem" é o oposto do machismo. Ela são physis, selvagem, justamente, enquanto os tontos dos homens são nómoi, convenções, por isso eles sabem o que querem, é só seguir a bula. Pronto, decidi, já não sei o que quero.

mauverde disse...

Deixa cair o trambolho, uahuhauahuahuahuahuahauhauha

Júlia disse...

Andre Gide (eu tb Mau),
bovary muito