quinta-feira, 22 de julho de 2010

Brasileigos


Ouviran o Ipiranga, mas não nos ouviram
Nos deixaram as margens
Esse povo heroíco
Se há igualdade, onde?
Nem com brasso fraco, nem forte
Liberdade, só com seio nú e bunda de fora!
Estômago, vasio, desafio a sensura
Moral, bons custumes, hipocrisia.
Ò pátria amada!
Salve, salve á desigualdade!
O Brazil, simbolo de amor e esperança
Ò ilusão (eterna tu és).
Morte do futuro comtada no passado
Em noços bosques, nem folres ou vida
Favelas!
Brilha no séu dessa pátria;
Fogos, balões e balas perdidas
Quen teme a morte?
Filhos de seus filhos neste solo é burguês
Eu filha de nimguém busco a minha ves!
E assim, ainda açim tú és amada Terra de Santa
Èla é quem carrega a cruz!

(Marília Machado)

4 comentários:

missosso disse...

Putz, Mau, os seus amigos são uns revoltados da pesada (vai ver que é por isso que vc é meu amigo). boa!

José Doutel Coroado disse...

Caro Mauverde,
gostei...
Marília está com a força da raiva...
abs

angela disse...

E como brilha o séu deça patria! Adorei a língua culta utilizada.
Não nos ouviram e não nos ouvem ainda.
Gostei do novo ino?

Melanie Brown disse...

Tristemente bonito.