terça-feira, 22 de março de 2011

abalo sísmico


















Edmar Oliveira


O nosso amor fez tremer o outro lado da terra
Um abalo sísmico das placas tectônicas do nosso querer
Destruiu a paixão que nos unia na calma oceânica

Bem que suspeitei das pichações enigmáticas:
“Celacanto provoca maremoto”

O menino nacional de olhos puxados
Não conseguiu deter o Godzila
Que em fúria feriu de morte as nossas ilhas

E o malefício da radiação atômica
Perdurará apagando os nossos momentos felizes

Minha queixa de amor
É você
____________________________
desenho: Katsushika Hokusa, ”A Grande Onda de Kanagawa” (1832)

5 comentários:

José Doutel Coroado disse...

Caro Edmar,
à primeira leitura fiquei preplexo, mas...
depois peguei no poema e consegui ver nele uma declaração de amor.
Gostei!
abs

José Doutel Coroado disse...

perplexo

missosso disse...

faço minhas as palavras do José, e digo mais: o poeta voltou!

Dalva Maria Ferreira disse...

Mas não é bem verdade?

maria disse...

Essa capacidade de transformar algo triste em algo assim tão bonito é mesmo coisa de poeta.

O amor é assim...abalos, verdades e recomeço.

Gostei