domingo, 2 de outubro de 2011

HORAS VAGAS















Horas vagas,
horas longas,
horas vagas e sem importância,
longas horas da gente - outro tempo.

No terreiro.

Cantam chatas
e agudas
e ocultas,
milhões e milhões de cigarras.

No ramo da acácia balança um pardal.

Dois pardais,
três pardais, mil pardais!

O raio de sol
fura a moita de antúrios
e avencas
e inhames,
e bate no caco de vidro, reflete.

E brilha. Rebrilha. Reflete.

No caco de vidro,
na gota de chuva,
na bacia de roupa de molho,
na pocinha escura de água da chuva.

Longas horas,
horas longas,
olhando coisas,
sentindo coisas,
sem pensar, tão somente deixando existir.

E os pardais, mais pardais, mais pardais...

4 comentários:

missosso disse...

sen-sa-ci-o-nal!!! Tem o ritmo morno das horas mortas da tarde e tem a agilidade dos pardais - parece simples, mas vai tentar!...

J Araújo disse...

Parab´ns, seu blog é muito bom mesmo.

Bj

Aili disse...

É de encher os olhos e a alma!

Lindo, lindo e lindo!

beijo

José Doutel Coroado disse...

Cara Dalva,
"E brilha. Rebrilha. Reflete."
Brilhante!
abs