quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Eu quero é dormir na praça!

30 anos dura a dita (dura)

18 dias leva o povo a derrubá-la

Pirâmides balançam, a Esfinge sorri

(os canalhas estupram)

chupa que é de uva Ben Ali, Mubarak, Kaddafi e tutti quanti!

1984

jornais, rádios, revistas e a TV plim-plim não davam

mas o país convulsionava, novos ventos sopravam

eu voltava da escola, engolia um mistão e corria para a Sé

meus pais, informados pela mídia chapa-branca, nem desconfiavam

eu não, ligado no Facebook/Twitter da época

me embriaguei por estar do lado "certo" da história

os comícios passaram a ser medidos pelo milhão

a praça era do povo como o céu do condor

na minha terra havia e há, palmeira, jasmim e sabiá

agora, revolução à vera, cá nunca houve nem há

e já que condor aqui não se dá, quem comeu foi urubu

e carcará

27 anos depois, olhando a praça Tahrir é que vi

com meus olhos de cego vi o que não estava lá

vi o que lá não tinha, mas tinha no Diretas-Já:

palanque armado, camisetinha, celebridades, políticalha e jabá

os gambé vazaram aprovando uma Anistia que lhes cobria o rabo

os bacanos se atracaram ao butim dizendo aos brados

é de vós que o poder vem, às urnas, macacada

mas voto não teve não, teve foi gambiarra e acordão

e, de lá pra cá, os gabirus do palanque do poder não saíram mais não

por isso é que eu quero voltar para a praça e berrar a todo pulmão

chega de Tiriricas, Capitão Nascimento para presidente!

Capita, o inimigo agora somos nós!

4 comentários:

José Doutel Coroado disse...

Caro Missosso,
Bom!!
abs

ps: pf quem é Capitão Nascimento?

Dalva Maria Ferreira disse...

Dá um cansaço...

maria disse...

"Dita dura"
Será a tal erguida dentro de nós (de mim)...Dificil essa luta!

Não vivi esse tempo. Mas, vivo o meu.

Adorei!!!

missosso disse...

tks, companheiros(as) vamos para a praça, sem cansaço, sem importar o tempo - eu já tenho uma listinha dos que eu quero que caiam fora.
p.s.: Capitão Nascimento é o protagonista de Tropa de Elite 1 e 2, filme que explica a violência no Rio (e no Brasil) - e as crônicas de 4 Montes, José?