domingo, 22 de novembro de 2009

Pessoa mediana




Eu cresci e virei uma pessoa mediana

Não entrei direto na USP, como previam
Não virei uma revelação musical, como torciam

Meu carro está batido
Eu ponho roupa no varal
Não vejo mais filmes iranianos
E eu não tenho passaporte

Fiz do inesperado meu trunfo
e ganhei a lucidez da visão
de que o perverso
estava no mapa colorido e 3D que me havia sido entregue.











Agora, só o vento.

4 comentários:

missosso disse...

agora, só vendo.

Júlia disse...

...não era vento?

Dalva M. Ferreira disse...

Negocia, meu bem, negocia... A vida não é assim tãããão absoluta: às vezes ela aceita uma propinazinha, e nos faculta um poucochinho de felicidade.

missosso disse...

ah, essa tal felicidade que nos propinamos: tão poucochinha, tão fugidia...