sábado, 7 de março de 2009

a mirada anterior

foto de Maria do Carmo Valente



O mundo em que vivemos, sentimos, pensamos, agimos, aparece desfigurado ao acordar na correnteza ou emprestado para ruínas em construção.

Parâmetros calcinados de um lar insuportável.

É um mundo de beleza tumultuária, assustador e aconchegante, que se manifesta/dissipa, em que cenários tombam congelados sentidos; onde não há razão de ser, apenas a necessidade de ver.

È um Real de maravilhas noturnas, mas sempre, e em última instância, imaginário-assassino

Desativar o prodígio, suspender desertos e opiniões latentes ao lesco-lesco de todos os dias: ser Deus sem ter que acreditar nisso!

Todos já tivemos esse olhar, essa capacidade de antecipar o silêncio, já soubemos (sob a pele) do material instante em que a duração pausa no destempo das pulsantes dinâmicas.

Interessa recuperar a comunhão direta das coisas, ouvir o rumor da inquietude quando cai a existência da cidade interna.

A outra vida está aqui, nunca mais será agora.

4 comentários:

Antonio Bento disse...

não entendi pitombas...

missosso disse...

nem eu...

missosso disse...

porém, aguarde, ainda não lhe respondi.

Dalva M. Ferreira disse...

Legal...