domingo, 7 de fevereiro de 2010

capivaras





Andavam à solta nas chapadas
Se enfurnavam nas matas de buritizais
E chafurdavam nos riachos e nascentes
Cabeças de fora nas águas do Parnaíba


Pele ruiva, rabo curto, focinho arisco
Sobre a mesa um guisado de aromas
Que transmitia à cuia de farinha
E aos sabores dos fogões do sertão

Trempe no fogo, panela de ferro...
E hoje só te temos nas figuras rupestres
Que o homem primitivo conservou


Primitivos fomos nós que te fizemos em extinção...

(edmar oliveira)

____________________

Pintura rupestre, símbolo da Fundação Museu do Homem Americano, São Raimundo Nonato, Piauí.

6 comentários:

José Doutel Coroado disse...

Car Edmar,
muito bonito seu poema.
pena é que as capívaras não tenham sobrevivido para o poderem apreciar.
Saibamos nós evitar que novas extinções nos possam ser assacadas.
abs

missosso disse...

foi a anta, seu moço, foi a anta do ser humano! pobres antas, elas não merecem a comparação; este blog tá numa velocidade incrível: nem bem tinha me recuperado do poema do Mauverde...

Edmar disse...

mas foi o Malverde que provocou com o verso "a pesquisadora isolada no sertão do Piaui". Niede Guidon é o bicho. E é a ela esse poema...

angela disse...

Edmar
Acompanho as capivaras a muito tempo, por várias razões de forum intimo..rs e sei que estiveram em perigo de extinção e sua caça foi proibida. Hoje em dia elas são mais de 400.000 só no pantanal e os fazendeiros querem liberar a caça pois elas arrasam com os pastos e plantações. O ibama pede que façam cercas. Já teve uma família passeando pelo rio Pinheiros e também apareceram na Lagoa Rodrigues de Freitas no Rio. Tudo isso não invalida a beleza do poema.
beijos

.Justlow disse...

É há quem diga que não somos mais primitivos , isso eu duvido , pois somos carnivoros , impetulantes , e sobre tudo raivosos , onde está o ar de não primitivismo nisso tudo?
bjs ;*

José Doutel Coroado disse...

ainda bem que as capívaras sobreviveram... lamento é que na serra que leva seu nome porventura não existam mais...