terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A MÍNIMA DIFERENÇA


ela faz o simples
eu, a simplificação

ela mata a pau
eu mostro a cobra

ela é flor de primavera
eu, ramas de chorão

eu choro baixinho
ela samba no talo

eu a fugir da raia
ela a dançar na chuva

eu aprendi a cair
ela, a arte da fuga

ela tem rock na alma
aumento o som, bato palmas

ela gargalha
enquanto emudeço

ela sangra luz
a Tupã agradeço

ela edifica nas nuvens
se ando desligado

ela abre bem as asas
quando encolho o rabo

eu sigo a lógica
ela inventa geometrias

eu fui taifeiro
ela já nasceu marina

ela, toda amor
eu, tudo a mil

eu, romã
ela, lima

eu rio
ela rima
________________

Foto: João Menéres 2010

5 comentários:

José Doutel Coroado disse...

Eta... paixão!!
a diferença marca o ponto de encontro num interesse pela descoberta do outro e da sua essência.
Belo!
abs

missosso disse...

riquiezas são diferenças, tks josé!

Dalva M. Ferreira disse...

Muito bom. Muito!

missosso disse...

Estamos a sentir saudades de seus posts, Dalva, como aquele inesquecível guardanapo de bar, bjs.

mauverde disse...

Yes Yes Yes!!