sábado, 20 de novembro de 2010

Me atrevo Drummond.

(A criação de Adão-Lewis Lavoie- Michelangelo)

Mundo mundo vasto mundo”
quanto mais encurto os caminhos
mais distante tudo fica

Não há lugar para Ulisses
Odisseias são vulgares
Homeros escrevem novelas
Helenas são carnes cruas.

Acrópoles desordenadas
Midas descontrolados
Narcisos tem mil espelhos
Tânatos mata à vontade

O individuo é o mote
vale tudo vale nada
nessa confusão danada
salva-se quem puder
ou quem dinheiro tiver

No meio da multidão
um olhar desnorteado
insano
desesperado
encontra o meu

“Mundo mundo vasto mundo,
Mais vasto é meu coração”

3 comentários:

Dalva Maria Ferreira disse...

Uau! Por mais espelhos que a cidade tenha, parece que o povão só vê o que quer ver. Ainda bem que um olhar ainda encontra outro olhar...

missosso disse...

Bravíssimo companheira, estamos mesmo metidos até o pescoço nesta Necrópole desgovernada! Bonito demais.

angela disse...

Obrigada pelos comentários.