quarta-feira, 22 de outubro de 2008

auto-reflexão, ambigüidade, contradição: as mais belas faculdades da inteligência





esfumaturas tonais, apojaturas da voz, intensidades
colorísticas, concreções/rarefações, tempos em rubato,
variantes facultativas, gestos sonoros, traços
supra-segmentares, vibratos/sustenidos, inflexões
mímicas



o discurso não vem das palavras
nem elas estariam, dóceis, à sua espera
no aconchego dos dicionários, gramáticas, breviários de conjugação
no contrapelo da quietude
são as palavras que nascem do discurso



o pensamento já existia
antes da luz
ornado de ídolos, vestido de afetos
código perdido
de um falante nascido
mudo



a linguagem se esclarece por si mesma
sistema de sucessivos sistemas
de convenções
que se explicam uma às outras

3 comentários:

Daniele Thièbaut disse...

Caro amigo poeta,

Posso te chamar assim?

Gostei da sua investida no universo da linguagem e do discurso. Acho que este texto que você apenas iniciou, ainda tem muito o que render. Gostaria de ler a sua continuação.

Aí está um texto que eu colocaria na gaveta e o abriria de tempos em tempos para melhorá-lo, expandí-lo, revisá-lo, até que fique "perfeito".

Abraço,
Daniele

missosso disse...

cara daniele, leitora atenta,seleta e seletiva: acho que vc desvendou um segredinho sujo da minha escrita, ela é feita de fragmentos de coisas que nunca chego a terminar o esboço, que dizer finalizar! vou persistir nessa idéia que vc generosamente sugere, talvez não saiba falar de outra coisa que não essa interface linguagem/discurso -- afinal, o que é a poesia?

Anônimo disse...

Amigos Pensantes,

Observando o verbo aqui estampado,
vi os pensamentos tomarem vida ao meu lado, auspiciosos eles me seduziram a atenção e solidário convido os amigos a reflexão, não estaria o terminado ou esquecido aprisionado? Então intervenho pelo sábio pensamento, gestado pelo amigo, não o termine, não o aprisione nestas belas palavras, que esta seja apenas uma foto, continue a lhes dar o tempo e o movimento, para evoluirem as formas.
Amigo, a poesia para mim seria como a fotografia de um pensamento e os poetas podem libertários, como você que não os encerra ou carcerários vaidosos, afinal "os pensamentos já existiam antes da luz", antes do verbo! Um abraço e desculpe-me a escrita, sou melhor em pensamento! Você também esta certa amiga que eles alcancem a perfeição já que nasceram bons!
Abs. Piscar