quinta-feira, 28 de agosto de 2008

o corpo é o instrumento da dor

Ilustração de Gourmelin


A infância, esse espinho que não consigo
arrancar do meu coração,
nem a mulher de cabelos de relâmpago
de verão
cursei córregos absorvi normas
no tempo em que as coisas contam




carnal-artificial,
guardei numa caixa de afetos
os pedaços que me faltam
e os que nunca foram encontrados
da beleza convulsiva




Ninguém
sabe o que sou quando
― explosivo-imóvel ―
rumino

2 comentários:

mv disse...

Influência da conversa sobre colégios?

missosso disse...

oh, for sure dear friend!