sexta-feira, 1 de agosto de 2008

O CHAMADO DAS ÁRVORES

Apenas fique aberto
e procure,
que há reinos
gloriosos.


A natureza da Luz
desconfia/alerta
obstáculos inesperados;
divindades via satélite
iluminam sutilmente determinadas áreas geográficas
dão alento a diferentes formas
físicas:
nuvens, chuvas, hortaliças


Prontidão + Ausência de expectativas


Servidores do caos apegados ao óbvio
por hábito
coligam-se a organizações transnacionais
que acolhem os impulsos da Hierarquia Espiritual


< = = = = lampejos da tua próxima tarefa evolutiva = = = = >


Qual é o trajeto do Fogo?


Conhecerei a obra ampla
das antigas escolhas
que resultaram na série de cópulas que chegam a mim
quanto mais a crise planetária avança
já não se pede proteção à Sintonia Com A Lei Universal

não é suficiente triunfar nos mundos interiores
é preciso triunfar até nos planos mais materiais


Kasimir, Auro... e M. Alfassa se perguntam
chegou o momento da boa vindima?
sorver, genuflexo, os pomos daquela mulher

Ela é esbelta, esguia, é um caule florido
que se inclina
no corpo de ontem nos
tempos fugidios
das
estrelas assassinas
dos
barcos que se arrastam
fatia mares
do amar armado
próprio vento
da beleza contida
sonho de ópios
adormecidos
na faina


As coisas acontecem

A arte de viver nos tempos atuais


pedaços de pano costurados para serem pendurados na parede
florzinhas que chegam a alcançar um milhão
alcatifa de folhas sob meus pés nus
ou o dossel de seda que cobre o rico mercador
transubstanciação
mais bela que a jóia mais fina
é a abóbada de ramos trançados acima da minha cabeça

Estão próximos acontecimentos de
tremenda repercussão cósmica
Confia, pois

3 comentários:

Adiemus disse...

Anda inspirado hein companheiro! Isso aí!Parabéns!

Paulo disse...

como seria uma arte do viver fora dos tempos?

mv disse...

Me deu um sentimento assim, melopéico. É bastante bonito esse texto.