sexta-feira, 29 de agosto de 2008

O Ponto



Podemos nos perguntar, muitas vezes
Sobre um acontecimento, que de tão pouco usual,
Acaba passando despercebido
Como algo fora do lugar
Completamente fora do lugar

Como Teseu no labirinto do Minotauro
De trás para frente vamos encontrando
Um caminho que nós mesmos conhecemos
Mas já tão alterado
Que temos que refazê-lo

Agora, com nossas próprias mãos
Agora, sem saber o ponto de chegada
Agora, sem saber o que nos espera
Agora apenas com o agora
Como ponto de partida

3 comentários:

missosso disse...

"o labirinto de trás para a frente" e o "agora como ponto de partida" são imagens fortes, que me tocam. Tks

Daniele Thièbaut disse...

Mau, impressionante como é possível reconhecer a sua escrita em qualquer lugar.
Gostei demais dessa forma de refazer o caminho... embora, não seja exatamente isto: refazer, não é mesmo?
Bjs.
Dani

missosso disse...

gde verdade disse a Daniele! companheiro MV sempre se pode reconhecer em suas obras!