sábado, 13 de setembro de 2008

TRANSVALORAÇÃO (repetia o companheiro Nietzsche)


se cada um é sabido à sua maneira
então por que os grupos são tão estúpidos?


a massa é um multiprocessador de inteligências
e também uma motoniveladora de singularidades


uma república de espíritos livre-pensadores soa hipócrita
como uma racionalidade que dispensasse um modelo dominante


acreditar nos produtores de ciência, filosofia, literatura e belas-artes
só ignorando a notória (e constitucional) cafajestice dos intelectuais


a cauda longa de uma sociedade flexível, inventiva, amante da investigação
ou a nação fundada no ódio ao estrangeiro, numa revelação, um líder predestinado,
uma transcendência alienante?


abandonar os palácios, desertar o mercado, incendiar os templos, virtualizar a polis,
dispersar os signos,
porque não há caçador mais impiedoso, dominador tão implacável, nem território
comparável ao seu império




dizia meu tio que dirigir uma moto é andar num cavalo cego
já quanto aos humanos:
recompensa com prudência,
governa com vigilância,
castiga com firmeza,
vinho por medida,
rédea curta
e
porrada na garupa

3 comentários:

mv disse...

E continuamos nos relacionando como animais, n'est ce pas? O macho alfa adulto branco no comando, e quem está abajo, se tiver juízo, obedece.

Dalva M. Ferreira disse...

OK divino mestre: os meios justificam os fins. Né não?

missosso disse...

gostei MUITO da foto do companheiro MV e qto à querida blogueira de poesias e casos ligeiros, diria que fins e meios nunca substituem princípios. bjs