quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Oráculo


O senador Reichmann, bem cotado para as eleições daquele ano na Argentina, resolveu procurar um oráculo às escondidas. Havia ouvido falar bem do homem, que detestava propaganda e fazia questão, inclusive, de manter algum anonimato. "Melhor", pensou. Estaria menos exposto.
Ao chegar, pediram-lhe que aguardasse um momento numa pequena antesala. Ao entrar, o médium já estava, como diziam, "tomado", cumprimentando-o com um arreganhado sorriso e um aperto de mão forte e disposto. "Você quer ser rei? Qual é sua coroa?" O senador calou-se constrangido, sem entender a pergunta, pois o máximo de adornos que a cabeça de um presidente argentino ostentava, naquela época, era o quepe de militar.
"As pessoas que quer governar. Elas são sua coroa. Por dois motivos: para que estejam sempre em tua cabeça e para que estejam sempre acima de ti." Fez uma pausa. "Se governar com teus amigos no peito, esta nação estará hodida. É só, por hoje." E despediu um confuso senador.

Como se sabe, este não ganhou as eleições.
(sonho de 23/9/08)

6 comentários:

Paulo Henrique disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo Henrique disse...

o que vêem os oráculos cegos? na briga entre Tirésias e Édipo, entre o oráculo e o homem de coroa, soube mais o cego e menos o que tinha três olhos. o que vê alguém com três olhos?

missosso disse...

preciso este post! putzgrila, é difícil ver, ouvir, discernir, seja numa eleição, seja na vida cotidiana. quais eram os três olhos de Édipo?

missosso disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
julia disse...

a propaganda depende da alma da coroa, quer dizer, da alma da propaganda se cria a coroa? sei lá, bom mesmo é saber que mesmo em sonho, mais um político não se elegeu!

missosso disse...

cara, isto aqui não me sai da cabeça! Reichmann é?, não sei não... será possível que seja só um sonho?