segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

nosso quarto tinha espelho nos lados produzindo a sensação de infinito



os homens maus sofrem da mania de ser bons

tão sacanas e mentirosos são

que acham que os outros haverão de ser bons

por compensação

sofrer é tão foda como o amor é foda

foder o amor é facinho

osso mesmo é foder a dor

maneiras há

fazendo os outros sofrer

já tentei

não me ajudou

a verdade é uma faca serrilhada

dói que nem

não posso simplesmente me declarar contente

com o presente mais-que-perfeito

o fim não tem pressa

nem significado

é fim ponto

se ao menos fosse uma surpresa ou um alívio

vá lá coisa do destino

poderíamos concluir conversar rir

mas é que no meio há o amor e o amor não tem caráter

dirige embriagado dá perdido não chega

na hora marcada

só damos por ele a destempo

quando já ficou

pra lá

(dizer que nem sequer tivemos a consciência a angústia porventura o prazer de pensar que houve uma hora em que ainda era relativamente cedo)

4 comentários:

angela disse...

Adoraria saber foder a dor, mas até hoje foi ela que me fodeu.
É bem meio assim, como este poema.

disse...

" vazio agudo... ando meio cheio de tudo" paulo leminsky

Anônimo disse...

Well...it could be sweet to be loved by you.

missosso disse...

ando meio desligado (até caí), it could be sweet to be loved by someone.