quarta-feira, 25 de junho de 2008

a magia começa e acaba a conta-gotas


um fremir de raiva a sacudir o ossos
até ardia
como se a morte fosse chegar
montada em indignação impotência
no asfalto árido

mas a luz se fez
com um tapinha nos ombros
o esbugalhar de olhos incrédulos
e as palavras suaves:
"você é maior que isso."

era taxista, ele.

a vida
pode ganhar nova dimensão
ali na esquina.

3 comentários:

Thais disse...

um q imagem triste de se ver
é real ou montegem?
legam seu blog,somente lá no meu
http://www.thaischagass.blogspot.com/
abraços

mv disse...

A luz entra onde menos se espera, mas podemos deixar as janelas abertas.

missosso disse...

GEGEN DIE WAND, essa me lembrou um filme turco, 'Contra a Parede', é muito feliz a associação de belas e tristes coisas desse poema!